7 de fev de 2011

Mais que Amigos - cap X


Que garoto idiota eu pensei. Que idéia a dele de me jogar na cachoeira, e se eu não soubesse nada? Eu estava nadando em direção a margem quando ele me alcançou e me segurou pela cintura. Eu me virei e tentei empurrar ele, mas era tarde demais. Os lábios dele já estavam colados nos meus. Então senti a mão dele subir pelas minhas costas e parar na minha nuca, isso me arrepiou. Eu queria retribuir, mas...
- MAAAAARINA! MAAARINA! – era a voz da minha mãe. Eu logo me afastei do Matheus e virei na direção do som. Bem longe eu podia ver a minha mãe procurando por mim. Pensei: mães, aff!
- Tenho que ir Matheus – eu disse pra ele.
- Tudo bem, eu entendo – e sorriu. Me derreti, ele era um completo idiota, mas tinha uma pegada ótima. E qualquer mulher sabe que uma pegada é fudamental.
A mãe do Matheus me mostrou o meu quarto e onde era o banheiro. Peguei uma roupa seca, toalhas e fui tomar banho. Enquanto eu tomava banho eu pensava no que tinha acontecido entre o Matheus e eu. Na hora em que tudo aconteceu, ele me deixou com muita raiva, mas agora. Agora eu achava tudo fofo, e perfeito pro primeiro beijo. Tudo bem que foi só um selinho, mas foi tão fofo e ao mesmo intenso a ponto de me arrepiar. E cada vez que eu pensava no que tinha acontecido, mais vontade eu tinha de beijar o Matheus. Acho que ele merecia uma chance, talvez ele me surpreendesse. Sequei meu cabelo e pensei no Davi. Ele estava tão longe de mim pela distância. Eu estava tão distante dele, na verdade, distante do coração dele. E ainda por cima ele estava com a Camila. Uma lágrima escorreu. Olhei meu reflexo e decidi que aquela teria sido a última lágrima. Eu esqueceria o Davi ficando com o Matheus! Eu saí do banheiro decidida a beijar o Matheus.

Quando eu cheguei no meu quarto o Matheus estava lá, meu coração disparou. Não sei dizer se foi de susto, ou se meu plano de gostar do Matheus estava começando a dar certo.
- Ei Azedinha, demorou hein?! – ele disse de um jeito tão meigo que nem pude ficar brava. Ou será que eu estava me apaixonando já?
- O que você está fazendo aqui Matheus? – eu perguntei.
- Vim te trazer o chocolate quente – ele respondeu.
- Ah, pensei que você ía me jogar pela janela dessa vez? – eu disse sarcasticamente. Ele riu.
- Não – então ele fechou a porta do quarto – dessa vez eu vou te jogar na cama – ele disse isso e me pegou no colo.
- Não Matheus! Você tem que parar com essa sua mania que me pegar no colo e me jogar depois – eu briguei com ele.
- É por uma boa causa – ele disse.
- Boa causa? – ele não batia bem dos miolos.
Dessa vez pelo menos ele teve o bom senso de não me jogar. Ele me colocou na cama com todo jeito do mundo, como se eu fosse um vaso de vidro e ele não quisesse quebrar. Então ele deitou em cima de mim. Meu coração acelerou. O que ele estava fazendo? Eu tentei empurrar ele, foi quando ele olhou nos meus olhos e disse:
- Me dá um crédito esse final de semana. Deixa eu te provar que não sou o babaca que você pensa. Fica comigo. Se depois desse final de semana você não quiser nada, eu vou respeitar sua decisão.
Eu fiquei muda. Não conseguia responder absolutamente nada. Meu coração batia tão rápido, eu não conseguia respirar direito. Não tinha o que dizer. Então ele me deu um beijinho na testa. Depois um no nariz. Ele aproximou o nariz dele pra eu fazer o mesmo, eu dei o beijinho delicado. Quando eu senti que o próximo era na boca bateu um pânico enorme, mas não deu muito tempo de sentir o pânico porque logo ele me beijou. Só me lembrei de fechar os olhos. Ele me deu pequenos beijinhos e eu fui relaxando, abracei ele e ao mesmo tempo passava a mão no cabelo dele. Foi tão suave. Então ele me beijou pra valer. Os lábios dele eram quentes e tinham sabor de chocolate, eu correspondi ao beijo. Pude perceber que ele estava arrepiado também pelos pêlos da nuca dele. Ele foi descendo a mão dele até a minha cintura e colocou a língua dentro da minha boca. No começo eu achei estranho o jeito como ele fazia, mas depois eu me acostumei e percebi que era bom. Ele desceu um pouco mais a mão e parou na minha coxa, aproximou mais o quadril dele no meu e eu senti algo duro e então tentou colocar a mão por dentro da minha saia. Empurrei ele, aquilo estava indo muito longe.
- Desculpa, eu não resisti – ele disse meio sem graça.
- Tudo bem – eu disse mais sem graça ainda.
- Por favor me desculpa, eu me animei demais – Ele insistiu.
- É, eu percebi que você se animou demais. Tudo bem, relaxa. Acontece – eu disse.
Ele parecia tão sem jeito por eu ter percebido que ele tinha ficado “animado” com o beijo. Eu me aproximei dele e dei um beijinho nele, ele sorriu, me agarrou e nos beijamos com a mesma intensidade de onde tínhamos parado.

1 comentários:

João disse...

Ah *-* ta ficando tão legal =D mal posso esperar pelo proximo >.<

Postar um comentário

Me diga o que quiser. Críticas? Elogios? Ideias? Precisa conversar ou quer um conselho? Fique a vontade pra escrever nesse espaço.